Este blogue chegou hoje (17-09-2015) às 66666 vizualizações

terça-feira, 27 de setembro de 2011

COUTO DO MOSTEIRO: SANTA COMBA DÃO

ESTA PÁGINA ATINGIU AS 1000 VISUALIZAÇÕES


Texto retirado do Portal Português de Arquivos: A igreja matriz foi construída em 1150, no local onde existiu um mosteiro dos Templários, sendo reconstruída em 1661. D.Afonso III tornou-a couto, dando-a aos bispos de Coimbra, em 1255. Teve foral manuelino em [16 de Junho*] 12 de Setembro de 1514, elevando-a à categoria de vila e sede de concelho até 1836. Foi priorado da apresentação do Bispo de Coimbra, hoje eclesiasticamente anexa a Santa Comba Dão. Diocese de Viseu.
Lugares: Carvalhosa do Rio Criz, Casal de Maria, Casal de Vidona, Colmeosa, Couto do Mosteiro, Gestosa, Moinhos da Porta do Souto, Moinhos da Torre, Moinhos do Cubo, Outeiro, [Pedraires], Pesseguido, Pregoinho e Portela. Orago: Santa Columba.
* Possivelmente induzidos em erro por Franklin.

Texto retirado do Portal Português de Arquivos: No actual concelho de Santa Comba Dão subsistiram, até 1836, os extintos concelhos de Óvoa, Pinheiro d' Azere, Treixedo, Couto do Mosteiro e São João de Areias. Este último foi extinto em 7 de Setembro de 1895.

Todos eram concelhos da comarca de Viseu, existindo em cada um deles um juiz ordinário para julgar as causas de primeira instância.

A revolução de 1820 e as alterações legislativas que se lhe seguiram, vêm criar um novo sistema judicial. O Decreto-Lei de 16 de Maio de 1832 estabelece a divisão do país em distritos judiciais, comarcas, julgados, juízos de paz e juízes eleitos.

Neste âmbito, o Decreto-Lei de 21 de Março de 1835 institui o julgado de São João de Areias pertencente à comarca de Viseu. Faziam parte deste julgado os concelhos de Santa Comba Dão, Carregal do Sal, São João de Areias, Mortágua,
[Couto do]Mosteiro, Oliveira do Conde e Óvoa. Os concelhos de Pinheiro d' Ázere e Treixedo ficaram integrados no julgado de Arganil.

No ano seguinte, o Decreto-Lei de 29 de Novembro de 1836 institui nova divisão comarcã: Lamego, Moimenta da Beira, Viseu e Vouzela.

O concelho de Santa Comba Dão, agora incluindo as áreas dos extintos concelhos de Óvoa, Pinheiro d' Ázere, Treixedo e Couto do Mosteiro, fica, tal como São João de Areias e Carregal do Sal, integrado na comarca de Arganil do distrito Judicial de Coimbra.

A comarca de Santa Comba Dão só será instituída pelo Decreto-Lei de 28 de Dezembro de 1840, integrando os concelhos de Carregal do Sal, Santa Comba Dão, São João de Areias e Mortágua.


Texto retirado do Portal Português de Arquivos: Povoação antiga, do tempo dos visigodos. Pelos finais do século X, Santa Comba Dão pertencia ao Mosteiro de Lorvão. Teve foral em Outubro de 1102, dado por D.Eusébio, Abade do Mosteiro de Lorvão. Foi elevada a cabeça de condado por D. Sancho I em 1210, a favor dos bispos de Coimbra. Teve foral manuelino em [16 de Junho] 12 de Setembro de 1514. É vila e sede de concelho tendo este sido formado pela junção de seis concelhos: Couto do Mosteiro, Óvoa, Pinheiro de Ázere, São João de Areias, Santa Comba Dão e Treixedo. A antiga vila de Santa Comba Dão de que eram donatários os bispos de Coimbra, tinha uma só freguesia cujo prior era da apresentação do Bispo-Conde. Diocese de Viseu.

Lugares: Cabrita, Casal do Criz, Coval, Fontainhas, Pego, Piolhinho, Quinta, Ribeiras dos Moinhos, Vale da Loba e Vau. Orago: Nossa Senhora da Assunção.


Negrito nosso.


Portugal Sacro Profano
:
Couto do Mosteiro, freguesia no Bispado de Coimbra, tem por Orago Santa Columba, o paroco he prior da apresentação do Bispo de Coimbra, rende quatrocentos mil reis: dista de Lisboa quarenta leguas, e de Coimbra oito, tem duzentos e cincoenta fogos.

Memórias paroquiais 1758: " Mosteiro é Couto da comarca de Arganil com câmara e juízes ordinários, para governança do povo do Couto e seu termo. Consta o povo de Mosteiro de 288 fogos com 942 almas de sacramento na matriz dedicada a Santa Comba. No seu termo tem a aldeia e paroquia de São Joaninho, sujeita às justiças de Mosteiro "

Dicionário geográfico 1853: Orago Santa Comba, freguesia situada na Província da Beira Alta, Concelho e Comarca de Santa Comba Dão, distrito de Viseu, bispado de Coimbra, de onde dista 8 léguas, e 42 de Lisboa, e 2 de Tábua, 288 fogos, apresentação bispo de Coimbra, servida pelo correio de Tondela, paga de côngrua 200$000 réis.

Foral manuelino www.cm-santacombadao.pt/forais-manuelinos.html

No tempo do Rei D. João III, o concelho do Couto do Mosteiro tinha 192 moradores  a saber:
No lugar do Mosteiro que é cabeça do concelho 14;
Na Colmeosa 9;
No Pesseguido 2;
Em Vila de Barba 11;
No Outeiro 10;
Em Casal de Vidona 2;
Em Casal de Maria 12;
Em Pedraires 10;
Em Casal Bom 3;
Em Real 4;
Em São Joaninho 35;
Em Vila Pouca 27;
Em Gestosa 9;
Em Pregoinho 12;
Em Arrojem [Rojão] 18;
Em Vimieiro 14.
Este concelho tem de termo uma légua em comprimento e outra em largura, e confronta com a vila de Santa Comba Dão, e com a vila de Mortágua, e com o concelho de Besteiros [Tondela], e com o Concelho de Treixedo, e com o concelho de São João de Areias, e com o concelho de Óvoa.

Discrição no Dicionário Corográfico 1889:
Povoação e freguesia (Santa Colomba) da província da Beira Alta, concelho e comarca de Santa Comba Dão, distrito e bispado de Viseu. 1331 habitantes e 322 fogos.
Foi vila e teve foral concedido por D. Manuel em 1514. A freguesia era couto instituído por D. Afonso III. A igreja paroquial foi levantada em 1150 no sítio onde existiu um convento da ordem dos Templários, e fica a cerca de 200 metros da povoação. Tem escola do sexo masculino. A povoação dista 3 quilómetros da sede do concelho.

Discrição no Dicionário Corográfico de 1906:
Povoação e freguesia. Orago; Santa Columba. Tem 313 fogos, com 532 varões e 704 fêmeas, em 1890, e 546 varões e 735 fêmeas em 1900. Concelho e Comarca de Santa Comba Dão, distrito e diocese de Viseu. Pertence à segunda divisão militar e ao distrito de recrutamento e reserva nº 14 com sede em Santa Comba Dão. Esta antiga povoação, que D. Manuel fez vila e lhe deu foral em 12 Setembro de 1514, está situada na província da Beira Alta, na margem direita do rio Dão e na esquerda de um seu afluente [Rio Criz], em terreno fértil, a NO da sede do concelho, de que dista 1,7 quilómetros e 4,4 da estação de caminho de ferro de Santa Comba Dão. Tem escolas para ambos os sexos, e caixa para serviço da Posta Rural.


Segundo a Wikipédia tinha em 2001, 1275 habitantes; em 2011 baixou para 1186.
A freguesia do Couto do Mosteiro não tem Posto de Correio.
Tem escola do 1º ciclo na aldeia de Pesseguido.


­­

Nota: os dados acima referidos pertencem à freguesia ou Couto, na sua totalidade e não à aldeia.


Forno dito comunitário: segundo informação do Sr.Simões há dúvidas se era realmente comunitário.


O facto da janela apresentar furos que outrora serviram para a fixação de grades, deita por terra a ideia de comunitário, salvo se teve outro uso posteriormente o que levou a inclusão de grades nas janelas.

Alguns restos de colunas no adro da igreja.


Entrada para a igreja: note-se a inclusão de uma pinha.


Antiga escola primária para ambos os sexos.


Outra perspectiva do edifício da escola primária.


Pelourinho com coluna em torção.


Vestígios da calçada romana.


Troço da antiga estrada romana, mais tarde estrada real. Agora adulterada.


Vestígios da calçada romana: felizmente foram algumas pedras em mármore aproveitadas na zona lateral de um pequeno trecho da nova calçada.


Varanda do século XVIII.


Por informação recolhida no local: o edifício em frente teria servido de Câmara e prisão.


Este teria albergado freiras.


Edifício do final do século XIX.


Lousas de Valongo.


Mais um edifício imponente para o conjunto da freguesia: Pelo que se pode constatar a aldeia Couto do Mosteiro era um "couto de meia dúzia de famílias abastadas".


Marco na antiga calçada romana.


Local da antiga via romana.


Entrada no Couto pelo lado da Portela.


Vestígios da calçada romana.


Entrada datada: nota-se a datação da segunda metade do século XVIII nos edifícios.


Casas de eira e lages no antigo lugar da Corga: segundo informação do Sr. Simões - estas cruzes agora em cimento estão a ocupar o lugar das originais em pedra que alguém furtou.

Este local é similar ao de Casal de Maria. Na altura das desfolhadas o povo das aldeias vizinhas para lá se deslocava em romaria.


Como em Casal de Maria, nota-se o abandono das eiras.


Mais uma perspectiva das eiras.


Ruínas de uma velha casa da eira coberta com telha canudo.


Parte frontal.


Uma pilha de telha canudo.


Casa da eira coberta com telha marselha.


Parte frontal: note-se a adulteração do telhado.


Em 9 de Novembro de 1877, José da Cruz Veiga; Idade 28; Profissão, Serrador; Casado; Natural do Lugar do Couto do Mosteiro; Residente em Alvarim, Freguesia de Dardavaz, Concelho de Tondela. Requereu passaporte com destino ao Rio de Janeiro.


Em 30 de Janeiro de 1882, Francisco Pais de Lemos; Idade 27; Profissão, Carpinteiro; Solteiro; Residente no Lugar do Couto do Mosteiro; Freguesia do Couto do Mosteiro; Concelho de Santa Comba Dão. Requereu passaporte com destino ao Brasil.


Em 31 de Janeiro de 1882, António Lopes Júnior; Idade 26; Profissão, Carpinteiro; Solteiro; Residente no Lugar do Couto do Mosteiro; Freguesia do Couto do Mosteiro; Concelho de Santa Comba Dão. Requereu passaporte com destino ao Brasil.


Em 21 de Setembro de 1882, Joaquim Marques Viegas; Idade 28; Profissão, Comerciante; Solteiro; Residente no Lugar do Couto do Mosteiro; Freguesia do Couto do Mosteiro; Concelho de Santa Comba Dão. Requereu passaporte com destino ao Pará.




Em 30 de Novembro de 1882, Joaquim Ferraz; Idade 26; Profissão, Trabalhador;  Solteiro; Residente no Lugar do Couto do Mosteiro; Freguesia do Couto do Mosteiro; Concelho de Santa Comba Dão. Requereu passaporte com destino ao Império do Brasil.



8 comentários:

  1. Tenho olhado as fotos de Pregoinho, Couto do Mosteiro e Santa Comba que você publica.
    O meu avô é deste lugar, de Pregoinho.
    Um dia ainda moro por aí por uns quatro meses.
    Vovô, Manoel Pereira Gonçalves, filho de David e Leonor da Conceição, veio para o Brasil com 22 anos. Acho que nasceu em 1898 ou 899. Morreu em 1959, o mesmo ano em que eu nascí.
    Edson Luiz Pianca (epianca@sefaz.es.gov.br)ou (edsonmaverick@yahoo.com.br Abraço!

    ResponderEliminar
  2. Obrigado por enriquecer o blogue com o nome de seus ascendentes.

    Bom ano de 2012

    ResponderEliminar
  3. Amigo Francisco, o número de moradores será neste caso o numero de casas, fogos, habitações?. Agradeceria a possível ajuda. Muito obrigado. Almiro Ferreira Jorge

    ResponderEliminar
  4. Amigo Almiro; sim, no Numeramento de 1527 moradores significa fogos.

    Sempre ao dispor.
    Francisco

    ResponderEliminar
  5. escrevi sobre uma casa do couto do mosteiro na minha tese de mestrado "Figuras de Convite na azulejaria do século XVIII" publicada depos pela INAPA em 1998 Azulejaria Barroca Portuguesa. Figuras de Convite. Gostava de lhe fazer mais perguntas. Cumprimentso,
    Luisa Arruda

    ResponderEliminar
  6. Esteja à vontade. Responderei a todas as perguntas.

    ResponderEliminar
  7. Francisco
    Queria saber se a Casa Nobre pertencente o Sr. Almeida e Costa (em 1989), Couto do Mosteiro 3440 e com azulejaria barroca no interior continua nos mesmos proprietários e se sabe como contactá-los. Casa com fachada virada para o pelourinho manuelino e com data esgrafitada no portal1766 Queria sobretudo saber se a azulejaria ainda lá está. Estou a fazer um artigo para o catálogo da Exposição Azulejaria de Coimbra que vai acontecer brevemente no Museu Nacional do Azulejo. Queria saber que outros nucelos de azulejaria barroca-rococó (século XVIII) no Couto do Mosteiro.
    Queria ainda saber se conhece as fguras de Luís Gomes Pires proprietário desta casa no século XVIII e seu irmão José Gomes Pires Monteiro mor de santa Comba Dão por carta passada em 1767.
    São perguntas a mais...mas devo entregar o texto em 15 de agosto e talvz vá ao Couto do Mosteiro e não sei quem hei-se contactar.
    Cumprimentos
    Luisa Arruda (Prof.ª Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes)

    ResponderEliminar
  8. Caro Francisco dos Santos,

    Muitissimo obrigada pelas suas diligências. Na altura, já lá vão tantos anos consultei o arquivo da capela onde existia documentação sobre a construção do passadiço da casa para a capela pública que na época deu muita celeuma e não terá sido autorizado, embora lá esteja! Se consultar o site da Faculdade de belas artes tem lá o meu mail.

    Cumprimentos,
    Luisa arruda

    ResponderEliminar